Menu fechado

Tudo é Relativo

A meu ver o conhecimento é o ato natural de se criar a ação, movido por alguma espécie de interesse, a fim de adquirir o saber. Esse envolvimento pode se dar de duas formas, como metaforicamente irei ilustrar: imagine que você está a beira de um lago, você analisa a água e pensa como ela estará, ou pode entrar dentro dela e sentir como essa mesma água pode estar. Pelo envolvimento analítico, pelo inteligir, interagir, teremos uma determinada percepção, conhecimento que iremos adquirir por meio da ferramenta mental, ao contrário, quando entramos na água, estaremos envoltos por ela e a nossa percepção será pelo sentir, ou seja, quanto criamos o ato do envolvimento, seja mental ou emocional, pelo sentir ou pensar teremos conclusões distintas e ambas se associam gerando uma definição maior sobre a mesma situação.

Ao se analisar as várias visões sobre a definição de conhecimento, penso que a análise mental filosófica é formada por percepções distintas, cada um defende a sua teoria, ou mental ou emocional sobre o tema, outros pela razão de que uma força superior rege tudo isso, responsabilizado o Téo. Creio que existe um conhecimento compartilhado, um conhecimento de verdades distintas e um conhecimento que engloba a todos. Se a visão é de olhar a água ou de dentro ou de fora, ambas não geram uma verdade absoluta, mesmo porque cada pessoa é dotada de sua singularidade e percepções diferentes. O conhecimento não é algo ao qual se fecha em um conceito apenas, é um processo infinito de desenvolvimento. Portanto, temos que ser flexíveis, quando a aceitação das diferentes percepções, sobre determinadas coisas na vida, se não iremos nos fechar na nossa verdade, criaremos conflitos de razões e automaticamente iremos afetar a moral e a ética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *